Preso acusado de matar taxista em Bragança.+ FOTOS.

E-mail Imprimir PDF

Por volta das 13:00 desta quarta-feira(24), a equipe do Grupo Tatico Operacional(GPO) do município de Capanema fez a prisão Miquéias da Silva Espíndola, vulgo “Mikael”, 21 anos, acusado de participação na morte do taxista e policial militar reformado Luiz Fernando Araújo, 43 anos. Miquéias confessou todo o crime e disse que  alem dele há dois envolvidos no crime, “Bisteca” e “Nazareno”.

“Mikael” tinha contatos com a vítima. Os três apanharam o taxista se passando por passageiros no ponto de táxi da Praça do Perpetuo Socorro. Dentro do veiculo, anunciaram o assalto e levaram o carro modelo Cross Fox, amarelo, juntamente com o Fernando para o ramal da antiga estrada de ferro e chegando próximo a vila do Urubuquara cometeram o homicídio. De acordo com V, inicialmente a intenção era apenas roubar o carro, porem, ao deixarem a vítima no ramal da “Estradinha” “Bisteca” disse aos comparas que não era para deixar nenhum vestígio da ação. “Mikael”  entendeu que era para matar o taxista e disparou cinco tiros contra Fernando acertando quatro.  Como estava escuro, 19:30, “Mikael”  mirava em direção a cabeça do taxista e disparava a arma. O corpo de Fernando rolou de cima de uma ribanceira já que a pretensão era esconder o cadáver no alto da barreira do ramal.

Em seguida, “Mikael”, “Bisteca” e “Nazareno”, levaram o carro para o município de Nova Esperança do Piriá e chegando a residência de Juvenal Bragança disseram que iriam deixar o veiculo alegando defeito mecânico e que voltariam dois dias depois para consertar e trazer o veiculo de volta a Bragança.

“MIkael” acreditando que estava “tudo limpo” retornou a Bragança. Ocorre que a Policia Militar através do número 190 recebeu informação de que um dos indivíduos suspeito do assassinato de Luiz Fernando estaria em Bragança e a partir de então intensificou o trabalho de investigação. “Mikael” percebeu que seria preso na cidade e fugiu com destino ao município de Capanema e de lá embarcou em um ônibus com destino a Garrafão do Norte. Uma equipe do Sargento J. Teles, do Grupo Tático Operacional, em fiscalização de rotina nos ônibus na BR-316 encontrou “Mikael” entre os passageiros e foi o único que estava sem documentação. Os experientes policiais perceberam que havia algo de errado com o passageiro e o convidaram para acompanha-los até a viatura. Os policiais enganaram “Mikael” dizendo que já sabiam de tudo e que era melhor ele “abrir o jogo”, foi quando o acusado confessou que foi o autor dos disparos que tiram a vida do taxista Fernando.  Na delegacia de Capanema, para ter certeza do que se tratava, a equipe do GTO pediu por e-mail uma fotografia do suspeito que estava sendo procurado pela policia de Bragança e “Mikael” foi reconhecido e preso. 

Com o anuncio da prisão do assaltante, formou-se um aglomerado de curiosos e parentes da vítima em frente a delegacia de Bragança. Por medida de segurança, a viatura do GTO despistou o público usando dois veículos, o primeiro, com  policiais, parou em frente a delegacia desviando a atenção dos curiosos enquanto que pelo portão de trás do prédio do Quartel da PM, entrava o outro carro com o verdadeiro assassino.

“Mikael” desde de criança mantinha relacionamento com pessoas envolvidas com o crime, friamente ele contou tudo na frente dos jornalistas e não se intimidou diante das câmeras. Confessou que a idéia era roubar qualquer carro que desse oportunidade e escolheram o veículo do Fernando.

De acordo com informações o acusado era quem lavava o carro de Fernando, pois “Mikael” trabalhava em um lavajato no bairro Vila Sinhá.

O caso de latrocínio, formação de bando, e homicídio doloso com requintes de crueldade deve dar ao acusado 30 anos de reclusão em regime fechado.  

Repórteres J. Bahia, Jorge Silva, Nei Barbosa e Carla Brito.   

Fotos: J. Bahia

"Get the Flash Player" "to see this gallery."