Torcedora do Bragantino fala sobre a desvalorização do futebol feminino

1

Porque o futebol feminino não é bem visto como o futebol masculino?

Nós vivemos em uma sociedade machista e patriarcal, onde o esporte parece que é coisa de homem, então [...] toda valorização é em torno da figura masculina, tanto é que nos finais de semana quando os homens estão jogando bola, estão assistindo ou se divertindo, as mulheres continuam em casa cuidando das tarefas, cuidando dos filhos, cuidando da casa, então historicamente o futebol é uma coisa masculina.

O futebol feminino para ter mais visibilidade?

Os clubes eles precisam de fato acreditar no futebol feminino, porque mesmo tendo o time feminino, mas, não é dada a mesma atenção que dá para o futebol masculino, precisa ter esse olhar diferenciado para o futebol feminino. Se a diretoria dos clubes comece a pensar um futebol feminino como potencial isso chega a torcida, isso faz com que a sociedade de modo geral possa acreditar também e incentivar os clubes femininos.

O que o futebol feminino precisa para ter essa valorização diante da sociedade?

O apoio! Quando agente olha o grupo de profissionais que acompanha os clubes femininos é diferente do grupo de profissionais que acompanham o masculino, mesmo sendo do mesmo time. Se tu fores ver os profissionais que acompanham e a dedicação, o tempo dedicado ao clube masculino, é bem diferente do feminino, é tipo assim, para feminino [...] qualquer coisa é o suficiente.


A torcedora deixou uma mensagem para todas as mulheres do mundo:

Hoje (08 de março) na verdade é o dia de luta das mulheres, é o nosso dia de luta, dia de unificação, hoje é dia de unir as forças e lutar, lutar por políticas públicas, lutar pelo fim do feminicídio, lutar pelo fim da violência contra as mulheres, nós queremos respeito, nós queremos dignidade. E, que as mulheres que compõe esse grupo do esporte que diariamente tem se desafiado a construir essa oportunidade onde as mulheres possam se destacar, possam ser apoiadas, é preciso ter coragem, não é fácil, é preciso ter união.

[...] A mulher que se dispõe em entrar no esporte seja no futebol ou em qualquer outro esporte, ela precisa ter esse espírito de luta e de conquista, porque é desafiador, então, que nós possamos nos unir, que possamos nos unificar para que tenhamos uma sociedade menos machista e menos patriarcal, onde as mulheres possam ter seus direitos garantidos, possam ser respeitadas. Encerro dizendo: nenhum direito a menos! Que homens e mulheres possamos se unir nessa luta em defesa do direito das mulheres e do direito a vida.

Reportagem e foto - Maycon Ribeiro
Lido 192 vezes

Acompanhe @f_educadora no Instagram

A Fundação

A Fundação Educadora de Comunicação é constituída por duas rádios, a Educadora AM (1390) e FM (106,7), uma emissora de TV (canal 30) e um site. Tem por objetivo promover para o povo bragantino uma programação que enaltece a educação, cultura, esporte e evangelização. São 58 anos evoluindo e inovando. (+)

 

Boletim

Deixe seu e-mail para ser avisado em primeira mão sobre novas notícias: