Rádio Educadora FM 93,7 Bragança-Pará
Rádio Rosário FM 106,7 Bragança-Pará

Migração

Migração (8)

1
Foto / Marcelle Pires

A rádio Educadora AM de Bragança-PA, emissora católica mais antiga do Pará e a segunda a entrar em operação no estado, concluiu nesta quinta-feira (8), a migração para a frequência modulada.

A ida da Rádio Educadora para a FM é um momento histórico para a cidade de Bragança, porque encerra na região do Caeté a operação do último sinal de ondas médias e amplitude modulada (AM), que se manteve em funcionamento por 61 anos ajudando a formar uma geração de ouvintes. 

Segundo levantamento do portal TudoRadio, especializado em radiodifusão, com a mudança de frequência da Rádio Educadora, em Bragança, apenas 15 emissoras no Pará seguem em transmissão AM, em processo de migração para a FM autorizado pelo decreto 8.139/13. 

Durante 30 dias, o sinal AM na faixa dos 1390 kHz ocupado pela Educadora de Bragança desde 12 de novembro de 1960 será mantido simultaneamente ao novo sinal, na faixa 93,7 MHz. A previsão é que o transmissor AM seja desligado em 8 de agosto de 2021. 

Com a chegada da nova Educadora FM 93,7 MHz, a frequência 106,7 MHz que já era conhecida pelos ouvintes de Bragança ganha novo nome, Rosário FM 106,7, em homenagem à padroeira de Bragança, Nossa Senhora do Rosário. A nova rádio da Fundação Educadora de Comunicação (FEC) entra no ar repaginada, com foco na cultura, na educação e na evangelização, para atuar lado a lado com a Educadora FM 93,7, a rádio pioneira do grupo. 

"A proposta é manter na FM aquilo que o público das duas rádios já conhece, consolidando os perfis que as emissoras da Fundação Educadora de Comunicação construíram ao longo dos anos”, explica o professor Beto Amorim, coordenador do projeto de transição. “A Educadora FM 93,7 segue com a programação voltada para a cultura, a música e a informação, com notícias da região e a cobertura esportiva completa do time da Educadora; e a Rosário FM, na frequência 106,7 MHZ, assume o foco especial para a educação, informação e evangelização”, explica. 
 
Programação - A mudança para a nova frequência foi celebrada com festa na cidade de Bragança e transmissão especial dos veículos da Fundação Educadora de Comunicação. A data da migração coincidiu com o aniversário de 408 anos de fundação da cidade de Bragança, celebrado com uma missa na catedral presidida pelo bispo dom Jesus Maria Cizaurre Berdonces e acompanhado por uma série de eventos festivos, com cobertura completa pelos veículos da Educadora. 
 
História - A rádio Educadora AM de Bragança (PA) mantém no ar o mais antigo projeto de educação pelo rádio da Amazônia, o Serviço Educativo Radiofônico de Bragança (Serb), que opera junto à Educadora e ajudou a formar mais de 100 mil alunos em seis décadas de atividades. O projeto foi concebido no fim da década de 1950 pelos padres Dom Eliseu Maria Coroli e Miguel Giambelli e levado ao ar no dia 12 de novembro de 1960. Pelo Serb, dezenas de milhares de pessoas puderam avançar ou concluir seus estudos através de aulas transmitidas pelo rádio, que alcançavam toda a região pelo sinal de ondas médias e ondas tropicais. Hoje, o Serb funciona como uma escola regular vinculada à Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e mantém as transmissões pelo rádio e pela internet, em www.fundacaoeducadora.com.br.

Texto - Filipe A. Sanches
1

Batizada com o nome da padroeira de Bragança, a Rosário FM é a nova emissora da Fundação Educadora de Comunicação. Um nome novo para uma rádio que já é conhecida pelo público de Bragança, na frequência 106,7 MHz. 

A faixa passa a se chamar Rosário FM a partir de 8 de julho de 2021, herdando uma parte da grade de programação e abrindo espaço para novas atrações, com transmissões ao vivo de missas e eventos religiosos.

A mudança de nome vem acompanhada por uma reformulação de identidade: a Rosário FM chega com o compromisso de fortalecer os esforços da Fundação Educadora para a evangelização, cultura e educação pelo rádio, os mesmos princípios que orientam a Educadora desde sua fundação, na década de 1960, e que seguem em todos os canais do grupo.

"A Rosário FM é um canal aberto para as comunidades, para as pastorais, para as escolas. Esse perfil educativo, religioso e cultural que está na raiz da Educadora será enfatizado nesse novo canal, com essa nova marca", explica Beto Amorim, coordenador do processo de reformulação dos canais da Educadora. A ideia é que as duas rádios mantenham os perfis que o público já conhece, valorizando e fortalecendo a presença da Educadora na vida dos bragantinos.

A educação, aliás, ganha destaque na programação da Rosário FM, que passa a transmitir as aulas diárias do Sistema Educativo Radiofônico de Bragança (Serb). Criado em 1958 por iniciativa do bispo dom Eliseu Maria Coroli e do padre Miguel Giambelli, o Serb é o mais antigo projeto de educação pelo rádio em funcionamento no País, com mais de 100 mil alunos em seis décadas de atividades. 

Atualmente, o Serb é vinculado à Secretaria de Estado de Educação (Seduc-PA) e funciona como uma escola (Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Sistema Educativo Radiofônico de Bragança), ligada à 1ª Unidade Regional de Educação do Pará. As aulas são ministradas por professores nos estúdios da Educadora e transmitidas pelo rádio.

O reposicionamento dos canais da Fundação Educadora de Comunicação, encabeçado pela migração para a FM da Educadora AM, aumenta o alcance da Voz das Famílias Católicas Paraenses. Além das rádios Educadora FM 93,7 e Rosário FM 106,7, a Fundação Educadora de Comunicação conta com a TV Educadora canal 30 e o portal www.fundacaoeducadora.com.br.

Texto - Filipe A. Sanches
 
1

Primeira transmissão

A primeira transmissão oficial da rádio Educadora de Bragança ocorreu no dia 12 de novembro de 1960, um sábado de festa em Bragança, com a presença de autoridades e convidados de toda a região. A primeira atração, nos primeiros instantes da primeira transmissão oficial, foi a oração do Angelus, por Dom Alberto Ramos, Arcebispo de Belém. Antes da inauguração oficial, porém, muitos testes e experimentos foram feitos.

Experiências com rádios e antenas

Dom Miguel Giambelli, o vigário da prelazia do Guamá, teve contato com outras experiências de rádio para a educação de base no fim dos anos 1950. Ele mantinha em Bragança equipamentos de uma emissora rudimentar, onde fez experimentos de transmissão a partir de 1957 e desenhou o que seria a Educadora.

Uma rádio em testes

Durante todo o mês de março de 1958, a rádio rudimentar criada por padre Miguel Giambelli - uma espécie de embrião do que seria a Educadora - podia ser sintonizada na frequência dos 5.850 Kw. Mas o experimento saiu do ar por problemas técnicos no domingo de Páscoa, dia 30 de março daquele ano. Antes, segundo o professor José Ribamar de Oliveira, que editou o livro “Fragmentos Históricos da Igreja Católica de Bragança – Vol. 2", padre Miguel já havia transmitido cantos em preparação à Semana Santa. 

Com a ajuda das paróquias

Com o apoio e o empenho do bispo Dom Eliseu Maria Coroli, a Rádio Educadora de Bragança começa a ganhar forma em janeiro de 1957. No dia 27 de janeiro, em reunião, os padres Barnabitas aprovam a instalação da rádio, que levaria educação e evangelização a quem vive no campo. Para colocar em prática a implantação da Rádio Educadora, o bispo Dom Eliseu recebeu apoio financeiro das paróquias de Bragança, Ourém, São Domingos do Capim, Viseu e São Miguel do Guamá.

"Tem alguém ouvindo?"

O chamado vinha pelo rádio. Dos estúdios da recém-inaugurada Rádio Educadora de Bragança, Osvaldo Silveira, o gerente da Caixa Econômica alçado ao posto de locutor naquele começo dos anos 1960, lançava um apelo aos ouvintes dos lugares mais distantes. Ele pedia para que escrevessem cartas informando como chegava o sinal da Educadora em suas residências.

A resposta veio por carta

A resposta foi imediata: centenas de correspondências chegaram aos estúdios, enviados de municípios e lugarejos mais distantes da Amazônia. A transmissão por ondas médias podia ser captada a mais de 200 km de distância das antenas da Educadora, cobrindo toda a região dos Caetés. Já as ondas tropicais levavam o sinal da rádio de Bragança a dar a volta ao mundo: há registros de ouvintes captando o sinal da Educadora no norte da África e até no Japão, além de pescadores que podiam acompanhar a programação da rádio bragantina em alto mar.
 
Um prédio para abrigar uma rádio

Em 7 de março de 1959, têm início os trabalhos de construção dos estúdios da Rádio Educadora, sob responsabilidade de padre Borsani. O primeiro prédio da rádio ficava na avenida principal da cidade, hoje a Nazeazeno Ferreira, na lateral direita do Instituto Santa Teresinha. Não muito longe dali, em um terreno elevado no bairro Padre Luís, foram instalados os equipamentos do primeiro parque de transmissão da Educadora. 

Moderna e pioneira

No dia 21 de junho de 1960, chegam a Bragança as caixas contendo os equipamentos dos transmissores, torre e sala técnica. Foram adquiridos junto à firma Sociedade Técnica Paulista. O técnico responsável pela montagem foi Jaime Kitahara.

Período de experiência 

No início de julho de 1960, a emissora católica recebe autorização de funcionamento; No dia 4 do mesmo mês, entra no ar a Rádio Educadora, em período de experiência. Depois de meia hora de funcionamento, o transmissor de alta voltagem da Onda Média não resiste às oscilações de energia e queima, frustrando a equipe da Educadora. 

As primeiras músicas

A primeira experiência musical da Rádio Educadora é registrada no dia 4 de agosto de 1960, tendo como locutor o senhor Osvaldo Silveira, então gerente da Caixa Econômica Federal. Na técnica, estava Carlos Moraes. A primeira gravação lançada ao ar, em forma oficial foi o hino do Congresso Eucarístico da Prelazia do Guamá, de autoria do padre Vitaliano Maria Vari.

Está no ar a Educadora 

Com festa e com a presença de autoridades eclesiais e de convidados de toda a região, no dia 12 de novembro de 1960, sábado, é inaugurada a Rádio Educadora de Bragança – A Voz Católica da Família Paraense. A bênção aos equipamentos e a primeira transmissão oficial são feitas por Dom Alberto Ramos, arcebispo de Belém. 

Texto - Filipe A. Sanches
Com 61 anos no ar, colecionando histórias e grandes coberturas, a rádio Educadora de Bragança revelou grandes talentos da comunicação: locutores, repórteres,  apresentadores de TV que hoje se destacam em outras praças foram revelados ou lapidaram seus talentos nos estúdio da Voz Católica da Família Paraense.

1

Entre eles estão figuras que fizeram história no rádio, como o narrador esportivo e locutor Jorge Luis (@jlgarotinho), "o garotinho que sabe o que diz". Filho de Bragança, Jorge Luis integrou o time da Educadora até o início dos anos 1980 e ajudou a forjar a tradição esportiva da emissora bragantina com sua voz marcante e reconhecida por todos os amantes do futebol. De Bragança, seguiu para Belém, onde abriu caminho nas grandes emissoras da capital, com passagens marcantes pela Marajoara AM, Liberal AM e Metropolitana FM.

1

Outra cria da Educadora é o radialista Nonato Cavalcante, revelado em um concurso de locução promovido pela Rádio Educadora de Bragança no começo dos anos 1970. Natural de Tracuateua, Raimundo Nonato Cavalcante Nascimento deu os primeiros passos ao microfone nos estúdios da Educadora. "O sabe tudo" fez história no rádio paraense, com passagem em todas as grandes emissoras e destaque na Super Marajoara e na Clube, onde segue como diretor de jornalismo e de programação. Atualmente, Nonato Cavalcante também é diretor da Rádio Cultura.

Outro craque da crônica esportiva com passagem pela Educadora de Bragança é o jornalista e locutor Cláudio Guimarães, reconhecido como um dos maiores narradores esportivos do Pará. Um dos grandes nomes da Rádio Clube, Cláudio Guimarães iniciou sua trajetória no jornalismo esportivo em Bragança ainda na década de 1960, e nunca perdeu o vínculo com a emissora de sua cidade natal, colecionando participações em momentos especiais da programação da Educadora.

Veja mais talentos que passaram pela Educadora
Cristiano Rosa (1957-1990)
Celso Leite (1958-2019)

Outros talentos seguem na casa
Grandes nomes do rádio integram o time Educadora. Veja quem são: 
Eduardo Simões
Jota Bahia
Cledson Jair, o Homem do “Tubarão”
Claudinho Corrêa
Beto Amorim
George Santos
João Vanderley

Texto - Filipe A. Sanches
1

“Nunca foi um sonho, sempre foi uma realidade”
 
Celso Orlando da Silva Leite dispensava apresentações. A voz marcante das manhãs da Educadora dedicou mais de 40 anos ao rádio, onde fez amigos e história. E onde deixou uma legião de ouvintes e fãs.

Nascido em novembro de 1958, dois anos antes da Fundação da Educadora, Celso Leite cresceu ouvindo a rádio que o acolheria ainda jovem, aos 22 anos, para o seu primeiro emprego. Foi contratado num 1º de março de 1980, na função de locutor esportivo. O esporte, aliás, era uma das paixões de Celso. Ainda na década de 1980, foi a campo como repórter, para cobrir e testemunhar grandes momentos do futebol paraense. Na função de locutor esportivo, foi uma das vozes mais expressivas do time que faz a cobertura esportiva da Educadora. Apresentou os programas “Na marca do pênalti”, “Vesperal Esportivo”,  “Sertão Maior” e “Calendário Social”, “Sessão Saudade” e “Rádio Sucesso". Mas foi no “Show da Manhã”, que conduziu até os últimos dias vida, que escreveu seu nome na história do rádio paraense.

Em 2018, quando a Educadora se preparava para completar 58 anos, Celso registrou em vídeo suas memórias sobre a história da rádio que ele ajudou a escrever: "Dom Eliseu queria levar a cidade para o interior. E qual era a maneira? Pelas ondas sonoras. Vamos informar, vamos evangelizar, vamos educar pelo rádio”, diz Celso Leite. 

"Lá no interior, tinham sim escolas, mas até a quarta série. Não era um sonho não, foi um projeto bem pensado. E aí surgiu nos céus da Amazônia um novo som, a Voz Católica da Família Paraense”, lembra o radialista, em depoimento disponível nos arquivos da Educadora.

"E o povo do interior tinha outra dificuldade, porque não tinham os rádios. E aí a Educadora compra os rádios e entrega. Eram os rádios com sintonia cativa, usados nos radio-postos. Pegavam o rádio que a Educadora dava, botavam em cima de uma mesa e ali acompanhavam a aula, nos radio-postos. A mesma coisa aos domingos: coloca-se o rádio ali no altar das capelas e o povo se reúne para acompanhar a missa que era transmitida aqui da matriz”, conta Celso Leite. 

O radialista fazia questão de lembrar do vínculo permanente entre educação e evangelização nos esforços da Educadora, desde os primeiros anos da emissora. E se orgulhava de fazer parte da história de transformações da rádio: 

"Nós estamos vendo a Rádio Educadora hoje tão moderna quanto naquele tempo. Porque naquele tempo ter uma emissora de rádio era algo ultramoderno. Ninguém nem acredita. Hoje, viramos a Fundação Educadora, temos a FM, nos adequamos à realidade da internet. E a aula do Serb continua com tantos alunos ou mais quanto naquele começo. E hoje muita gente tem o doutor na frente dos seus nomes a partir dos ensinamentos do rádio, quer seja no interior ou na cidade”, disse. "Se tem alguém orgulhoso e que deve aplaudir de pé a história da Educadora é o povo de Bragança, é o povo da Amazônia. Que a partir do pensamento do projeto de Dom Eliseu e com o apoio do Padre Miguel, quem se beneficiou foi parte do Brasil, parte da Amazônia.” 

Celso Leite morreu aos 60 anos no dia 24 de agosto de 2019, deixando um legado de amor pela comunicação e pela educação. 

O radialista foi membro da Academia Bragantina de Artes e Cultura ocupando a cadeira nº 5 do patrono Jorge Daniel de Sousa Ramos, poeta e jornalista. No futebol, foi membro do Conselho Deliberativo e posteriormente presidente do Bragantino Clube do Pará. Celso Leite também teve uma expressiva carreira política, entre 1989 e 2006, tendo sido eleito vereador e prefeito de Bragança.

Texto - Filipe A. Sanches
1

"Botei a mesa com tanta alegria 
Dormi pensando e meu amor não veio
Não veio, não veio
E tristeza se meteu no meio"

O som do xaxado, com triângulo, zabumba e sanfona, e a voz doce da cantora Marinês ficaram marcados na memória de Normélia Santos Ribeiro (1927–2014), uma das ouvintes fiéis que cresceram na companhia da Rádio Educadora de Bragança. Os versos de “Advinhação”, cantados pela estrela paraibana, faziam parte do repertório da "Voz Católica da Família Paraense” naquele começo dos anos 1960.

A segunda emissora de rádio a operar no Pará, a Educadora de Bragança tocava música brasileira antes e depois das aulas diárias transmitidas de um pequeno estúdio montado no centro da cidade. Em um tempo em que o rádio ainda dava os primeiros passos no Brasil e na Amazônia, a Educadora ajudava a formar uma geração de ouvintes no nordeste do Pará.

A Rádio Educadora de Bragança fez sua primeira transmissão em novembro de 1960. A antena instalada no bairro Padre Luís transmitia o sinal gerado em um transmissor Collins valvulado, de fabricação norte-americana, trazido a Bragança pelos padres Barnabitas com a colaboração de muitos benfeitores, alguns deles até de fora do país. O projeto do parque de transmissão, que detalha o funcionamento do maquinário que colocava a Educadora no ar, é guardado como relíquia no acervo da rádio. Estão lá registrados todos os itens que compõem o sistema de transmissão, um dos mais modernos daquela época.

1

Mas o sinal que ecoava por cima dos campos bragantinos não era captado por muitas antenas, nos primeiros anos da década de 1960. Eram poucas as residências que tinham aparelhos de rádio em Bragança naqueles dias.

Uma delas era a da família das irmãs Normélia e Noemi Santos Ribeiro (1932-2021). Normélia, ouvinte do programa Show da Manhã de Celso Leite (1958-2019), era quem contava a história daquelas primeiras vezes em que ouvia o rádio funcionar. Quando o som da estática e os ruídos de rádio sem sintonia davam lugar à voz de Marinês. E de tantos outros cantores, outros sucessos: do rei do baião Luiz Gonzaga até o ritmo contagiante de Jackson do Pandeiro, duas estrelas da época. 

1

"Como não há registros gravados daquelas primeiras transmissões e pouquíssimo material documental, temos poucas informações desses primeiros momentos”, explica Beto Amorim. A reconstrução dos primeiros passos da “Voz católica da família paraense” é um quebra-cabeças feito da memória de muitos ouvintes que construíram com a rádio uma relação de amor, como a de Normélia e de sua lembrança da programação musical que antecedia as aulas transmitidas pelo rádio.

Acervo - O acervo de vinis da Rádio Educadora forma uma das coleções mais antigas do Pará. São mais de 25 mil LPs, compactos e fitas cassete, incluindo raridades como o disco de Marinês e Sua Gente (1960). Conservados em uma sala especial no prédio da Educadora, o acervo de vinis ajuda a contar a história da rádio. São lembranças de um tempo onde a programação era montada faixa a faixa e executada ao vivo por um operador. Na sala ao lado, estão equipamentos utilizados nas primeiras transmissões, microfones, mesas de mixagem de som, toca-discos. E os rádios cativos da Educadora.

1

Oficialmente, a história registrada nos arquivos da Educadora aponta a transmissão da oração do Angelus, por Dom Alberto Ramos, Arcebispo de Belém, no dia 12 de novembro de 1960, como o momento de inauguração da Educadora. O momento da primeira oração levada ao ar pela rádio pioneira de Bragança está registrado em fotografias guardadas nos arquivos da fundação. A transmissão celebrada com festa marcava o início dos trabalhos da Educadora de Bragança. 

Dois dias depois, a Educadora faria a sua primeira transmissão oficial externa, na cobertura do Círio de Bragança, em 14 de novembro de 1960. Nos anos seguintes, a Educadora também faria parte das primeiras transmissões ao vivo do Círio de Nazaré em Belém, feitas por telefone, para a região dos Caetés.

Texto - Filipe A. Sanches
Fotos - Marcelle Pires e Maycon Ribeiro
1
 
Com 61 anos de história, emissora pioneira na radiodifusão educativa na Amazônia estreia em nova frequência no dia 8 de julho, dia do aniversário de Bragança. Mudança oferecerá sinal com mais qualidade e livre de interferências para todo o nordeste do Pará, ampliando o alcance da “Voz católica da família paraense”.
 
A rádio Educadora AM de Bragança (PA), pioneira na radiodifusão educativa na Amazônia, se prepara para dar mais um passo importante na sua história: a migração para a FM está marcada para o dia 8 de julho de 2021 e vem junto com novidades na programação e no dial.
 
A nova Educadora FM passará a transmitir na frequência 93,7 MHz, com uma grade reformulada repleta de música, informação e interação com o público. Os programas que cativam os ouvintes na rádio AM ganham mais vida e mais qualidade de som na nova faixa, 100% livre de interferências.
 
A frequência dos 106,7 MHz, da atual Educadora FM, segue no ar, mas com um novo nome, escolhido em homenagem à padroeira da cidade de Bragança: Rosário FM 106,7 MHz. A nova marca da Fundação Educadora de Comunicação (FEC) também estreia no dia 8 de julho com uma programação repaginada, novas vinhetas e novos programas, com foco na cultura, na educação e na evangelização.
 
"A proposta é manter na FM aquilo que o público das duas rádios já conhece, consolidando os perfis que as emissoras da Fundação Educadora de Comunicação construíram ao longo dos anos”, explica o professor Beto Amorim, coordenador do projeto de transição. “A Educadora FM 93,7 segue com a programação voltada para a cultura, a música e a informação, com notícias da região e a cobertura esportiva completa do time da Educadora; e a Rosário FM, na frequência 106,7 MHZ, assume o foco especial para a educação, informação e evangelização”, explica.
 
Na nova grade da 93,7, ganham destaque as atrações que já são conhecidas pelo público e as transmissões do Serb, o Sistema Educativo Radiofônico de Bragança, estarão com horário garantido na 106,7. A escola pelo rádio completa 61 anos no ar em 2021 com novidades e mais interação com os estudantes que acompanham as aulas transmitidas pela Educadora. "É com muito orgulho e respeito à memória do povo bragantino que damos continuidade à história da Rádio Educadora de Bragança. Sabemos da importância da rádio na vida, no dia a dia da nossa gente, e da sua contribuição na cultura, no entretenimento, na evangelização e educação de tantas pessoas ao longo dos seus mais de 60 anos de existência", diz o padre Ari Silva, diretor da Fundação Educadora de Comunicação. Além das rádios, a Fundação Educadora é formada pela TV Educadora canal 30 e pelo portal de notícias da Fundação Educadora (www.fundacaoeducadora.com.br).

A marca Rosário FM passa a integrar o grupo de emissoras da Fundação Educadora de Comunicação, mantendo o perfil de rádio educativa/religiosa e fortalecendo a presença da Educadora na região. As duas emissoras de rádio da Fundação Educadora são filiadas à Rede Católica de Rádios (RCR) e à Rede de Notícias da Amazônia (RNA).
 
O lançamento da nova marca e da nova programação das rádios Educadora FM 93,7 MHz e Rosário FM 106,7 MHz terá uma programação especial nas duas emissoras, com a participação de ouvintes, convidados especiais, apresentações musicais e sorteio de brindes. A programação completa poderá ser consultada no site www.fundacaoeducadora.com.br.

 
Migração marca novo ciclo da Educadora
 
A autorização da migração para a faixa de frequência modulada (FM) da Rádio Educadora AM, única rádio ativa de Amplitude Modulada (AM) na região de Bragança, foi expedida em 13 maio de 2021 pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O pedido de migração para a FM foi feito ao Ministério das Comunicações em 2014, um ano após a assinatura do decreto presidencial nº 8.139/13, que autorizou a ida das rádios AM para a faixa de FM. Até 2023, todas as 1.781 emissoras AM brasileiras deverão ter concluído a migração; 1.721 delas já solicitaram a mudança, segundo a Associação Brasileira de Rádios e Televisão (Abert).
 
Com o processo em andamento, a Fundação Educadora de Comunicação iniciou a aquisição e instalação dos equipamentos necessários para a migração, incluindo uma nova antena, um novo transmissor digital e um gerador de informações RDS (Radio Data System), para exibição de informações sobre a programação nos displays de aparelhos digitais de rádio dos ouvintes. Ao longo do mês de maio, os equipamentos foram testados e o estúdio da nova Educadora passou por uma reforma.
 
O início da transmissão na nova frequência foi agendado para 8 de julho de 2021, data em que se celebram os 408 anos da cidade de Bragança. A partir desta data, e durante 30 dias, a emissora manterá simultaneamente o sinal nas duas frequências, na faixa AM dos 1390 KHz, e na faixa FM 93,7 MHz. A previsão é que o sinal AM seja desligado no dia 8 de agosto.
 
A rádio Educadora AM, fundada em 1960 por iniciativa de Dom Eliseu Maria Coroli e de Dom Miguel Maria Giambelli, foi a primeira emissora a levar educação pelo rádio para o interior da Amazônia. Pelas suas ondas, de dentro das suas casas, mais de 100 mil pessoas puderam avançar ou concluir os seus estudos a distância. O projeto de educação pelo rádio ganhará impulso com a qualidade de transmissão em FM e mais espaço na grade de programação das rádios da Fundação Educadora de Comunicação.
 
A Educadora de Bragança é a segunda rádio AM mais antiga do Pará e mantém no ar há seis décadas uma programação diária diversificada, que mistura educação, cultura, esporte e evangelização. Ao longo de sua trajetória, passou por importantes transformações, operando inicialmente no prefixo ZYG 364, em Ondas Tropicais de longo alcance, que faziam a rádio de Bragança ecoar além das fronteiras da Amazônia brasileira. Sua história se consolidou na faixa AM, das Ondas Médias (OM), no prefixo ZYG 535. Nos anos 2000, a “Voz católica das famílias paraenses” ganhou o reforço da Educadora FM 106,7 e da TV Educadora canal 30.

 
História em movimento

1

Fundada em 1960, a Rádio Educadora mantém no ar há 61 anos o mais antigo e longevo programa de educação de jovens e adultos pelo rádio do Brasil, levando a toda a região dos Caetés o conteúdo do Sistema Educativo Radiofônico de Bragança (Serb). O Serb foi criado em 1958 por iniciativa do bispo dom Eliseu Maria Coroli e do então padre Miguel Giambelli, ligados à prelazia do Guamá. Entusiastas do rádio como ferramenta de educação e evangelização, dom Eliseu Coroli e dom Miguel Giambelli se inspiraram em experiências exitosas de alfabetização e escolarização de jovens e adultos pelo rádio no Brasil, especialmente em Natal (RN), e na Colômbia para instalar em Bragança uma rádio para educar, a Educadora.
 
A Educadora entrou no ar em 12 de novembro de 1960, simultaneamente por ondas médias, na frequência AM prefixo ZYG 535, e por ondas tropicais (ZYG 364). A primeira aula radiofônica ocorreu no dia 17 de abril de 1961, voltada para 1.508 alunos, distribuídos em 107 rádio-postos. Cada um deles, era equipado com rádios cativos, fabricados para sintonizar apenas a frequência da Educadora. Os rádios encomendados pela Diocese de Bragança (Prelazia do Guamá) foram distribuídos às comunidades da região. Além das aulas, os rádios também transmitiam a celebração das missas aos domingos. A rede de escolas radiofônicas que tinha o Serb como emissor chegou a ter 362 rádio-postos e 6,2 mil alunos simultâneos na década de 1960.
 
Atualmente, 640 alunos estão regularmente matriculados no Serb, hoje vinculado à Secretaria de Estado de Educação do Pará, em turmas da 3ª e 4ª etapa do Ensino Fundamental, e de 1ª e 2ª etapa do Ensino Médio. Estes alunos acompanham pelos canais da Educadora as aulas gravadas por seus professores nos estúdios de Bragança.

Texto - Filipe A. Sanches
Segunda, 05 Julho 2021 17:23

Educadora AM vai migrar para FM

Escrito por
1

No próximo dia 8 de julho, a Rádio Educadora de Bragança dará mais um passo em sua trajetória migrando a frequência Am (Amplitude Modulada) para FM (Frequência Modulada). A mudança de serviço possibilitará uma melhor qualidade de som e transmissão, além de viabilizar a veiculação da programação no celular.

A Rádio Educadora Fm 106,7 se transformará na Rádio Rosário FM mantendo a filosofia da Fundação Educadora  transmitindo  evangelização, educação, entretenimento e  boa música. A nova Rádio Educadora FM 93,7 manterá o perfil da grade de programação da AM que está no ar há 60 anos, porém, repaginada com novas vinhetas, novos programas e uma plástica mais moderna para atender seu fiel público.

A cerimônia de migração se dará na próxima quinta-feira, dia do aniversário do município de Bragança que completará 408 anos de fundação. A programação será iniciada com Santa Missa em ação de graças na Catedral do Rosário às 08:00h presidida pelo bispo diocesano Dom Jesus Maria, concelebrada pelos padres Gerenaldo Messias (Vigário Geral), Ari Silva (Diretor Administrativo da Fundação Educadora de Comunicação), dentre outros sacerdotes. Às 09:00h, Programa Especial na Rádio Educadora com homenagens e migração da Rádio Am 1390 Khz para Educadora FM 93,7 Mhz. 10:00h, inauguração da Rádio Rosário FM 106,7 e às 21:00h, show pirotécnico.

O povo bragantino ouviu pela primeira vez a Rádio Educadora no dia 12 de novembro de 1960 em meio a grande solenidade por ocasião do Círio de Nazaré na cidade.

 Reportagem e foto - Jota Bahia

Acompanhe @f_educadora no Instagram

A Fundação

A Fundação Educadora de Comunicação é constituída por duas rádios, a Educadora AM (1390) e FM (106,7), uma emissora de TV (canal 30) e um site. Tem por objetivo promover para o povo bragantino uma programação que enaltece a educação, cultura, esporte e evangelização. São 58 anos evoluindo e inovando. (+)

 

Boletim

Deixe seu e-mail para ser avisado em primeira mão sobre novas notícias: